Bolsa de Valores

Ações

O que são Ações?
Ação é um título que representa uma parcela de uma empresa. Um percentual do patrimônio da empresa. O investimento em ações é recomendado como perspectiva de longo prazo, em torno de 5 anos. O cliente deve avaliar o risco das empresas e suas ações, antes da execução de cada operação.  Os custos para a compra das ações são previamente acordados entre cliente e corretora, além das taxas e emolumentos cobrados pela BM&FBovespa e CBLC. Com relação aos ganhos de capital, a Hoya não presta este serviço e recomenda a leitura prévia das regras da Receita Federal.

Quero abrir minha conta

Risco de Crédito

É o risco ao não cuprimento pelo tomador ou contraparte, de suas obrigações financeiras nos termos e prazos pactuados, gerando inamdiplência ou atraso na liquidação de suas obrigações, resultando em perda financeira para a parte credora.

Risco de Liquidez

É o risco associado à possibilidade de o cliente não possuir recursos financeiros suficientes em uma data prevista para honrar seus compromissos, em razão de descasamentos entre fluxos de pagamentos e de recebimentos seja por:

(a) dificuldade em negociar rapidamente ativos ou posições que possua, por falta de preços ou de liquidez de mercado;

(b) dificuldade para obter funding ou financiamento de sua posição de caixa e com isso manter obrigações financeiras adimplentes; Para ambos os casos, o cliente estará sujeito a perdas financeiras.

Risco de Mercado

É o risco associado à possibilidade de perda por oscilação nos preços de ativos diante das condições de mercado. Esse tipo de risco está relacionado às operações realizadas nos mercados de ações, câmbio, taxa de juros e commodities, que podem ser feitas diretamente através da compra e venda de ativos ou operações com derivativos, podendo resultar, inclusive, em perdas ao patrimônio do cliente. derivativos são instrumentos financeiros cujas características estão vinculadas a outros títulos, ativos, ou instrumentos que lhe servem de referência. Como exemplo, podem ser mencionados: opções sobre ações, contratos futuros sobre o dólar comercial, sobre o índice BM&FBOVESPA, sobre a taxa DI etc.

Risco proveniente do uso de derivativos

Risco Proveniente de operações realizadas nos mercados deivativos com a finalidade de proteção (hedge) ou alavancagem, que podem ser assim descritos:

- Hedge: os derivativos são utilizados para reduzir exposições ao risco de detrminado ativo/passivo ou mesmo de uma carteira. Nesse caso, o risco está associado a possíveis dificuldades de realização de uma proteção adequada, uma vez que nem sempre as alternativas disponíveis no mercado possuem exatamente as características da exposição que se deseja proteger, como por exemplo: prazo, indexador e outros motivos que causem o descasamento dos preços.

- Alavancagem: operações com derivativos permitem que seja assumuida uma exposição financeira maior que o investimento realizado ou patrimônio líquido em carteira, sendo assimas oscilações do mercado podem resultar em perdas maiores que o investimento realizado pelo cliente.

TRATA-SE DE UMA MODALIDADE DE INVESTIMENTO QUE NÃO CONTA COM A GARANTIA DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO - FGC.

Sites Relacionados :

checkBovespa 
checkAnbima
checkCVM
checkBC

Orientação ao Investidor

-Comissão de Valores Mobiliários (CVM): Instituída pela Lei 6.385 em 07/12/76, a CVM é o órgão normativo do sistema financeiro especificamente focado no desenvolvimento, disciplina e fiscalização do mercado de Valores Mobiliários não emitidos pelo sistema financeiro e pelo Tesouro Nacional.

Além das Bolsas de Valores, a CVM tem poder fiscalizador e disciplinador sobre as atividades das Bolsas de Mercadorias e Futuros, as entidades do Mercado de Balcão Organizado e as entidades de Compensação e Liquidação de Operações com Valores Mobiliários. Estas entidades atuam como órgãos auxiliares da CVM.

Em caso de dúvidas e/ou queixas consulte o Serviço de Orientação ao Investidor da CVM -soi@cvm.gov.br / 0800-726-0802.

Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBOVESPA: Criada em 23/08/1890, a Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA) é uma associação civil sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial. A bolsa é uma entidade auto-reguladora, que opera sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A BM&FBOVESPA é dotada do denominado Poder de Auto-Regulação, que lhe confere faculdade para estabelecer normas e procedimentos (inclusive de conduta) e para fiscalizar seu cumprimento, os quais deverão ser observados pelas corretoras, as empresas listadas e investidores.

O descumprimento às normas e procedimentos estabelecidos pela BM&FBOVESPA, bem como daquelas que é incumbida de fiscalizar (abrangendo também práticas não equitativas e quaisquer modalidades de fraude ou manipulação no mercado) sujeita o infrator às penalidades que podem ser por ela aplicadas, que são: advertência, multa, suspensão, exclusão e inabilitação para o exercício de certas funções na própria Bolsa e em corretora.

Em caso de dúvidas e/ou queixas consulte o Ombudsman do Mercado -ombudsman@bovespa.com.br / 0800-770-0149.

Registro de Ordens